O QUE É

MODELAGEM SIMBÓLICA? 

Penny Tompkins & James Lawley

Penny Tompkins & James Lawley, criadores da Modelagem Simbólica.

Originalmente desenvolvida pelos psicoterapeutas Penny Tompkins e James Lawley, e com base no trabalho de David Grove, a Modelagem Simbólica é uma estrutura extremamente eficaz para o uso de questões de linguagem limpa no trabalho terapêutico e de coaching. É uma ferramenta altamente versátil, poderosa e compatível com a maioria dos métodos de psicoterapia e mudança. James Lawley e Penny Tompkins definem a Modelagem Simbólica como um processo para facilitar que as pessoas descubram como as suas metáforas expressam sua maneira de ser no mundo. Trabalhar dessa maneira permite que os clientes entendam seus próprios padrões individuais de pensamento e modelos de comportamento. O facilitador e o cliente então usam esses padrões para incentivar as condições para uma mudança ou para ajudar a replicar um padrão de comportamento bem-sucedido.

A metodologia considera o indivíduo como um sistema auto-organizado que codifica muito do significado de sentimentos, pensamentos, crenças, experiências, memórias, etc, como metáforas na mente corporificada. Em sua aplicação, visa aumentar a consciência do “domínio simbólico de experiência” pessoal dos clientes, facilitando-os a desenvolver uma “paisagem de metáforas” única e a explorar suas metáforas internas, que na teoria da metáfora conceitual, governam o comportamento.

O processo de Modelagem Simbólica facilita o cliente por meio de uma exploração das suas próprias metáforas, sua organização, interações e padrões. Essas metáforas incorporadas podem restringir as maneiras de um cliente ver o mundo e suas estratégias de enfrentamento, devido à lógica interna prescrita pelas metáforas. Sem mudar essas metáforas e seus limites lógicos, uma mudança duradoura pode ser difícil, pois a mente incorporada pode continuar a trabalhar dentro das restrições do velho paradigma. Por meio da facilitação com a Modelagem Simbólica, o cliente pode descobrir como essas metáforas podem evoluir espontaneamente para atender aos seus resultados desejados, e assim, mudanças transformadoras podem ocorrer dentro da “paisagem de metáforas” de um cliente, trazendo mudanças significativas nos níveis cognitivo, afetivo e comportamental.

Essencialmente, a Modelagem Simbólica combina três componentes:

  1. A Disciplina Básica da Modelagem.
  2. Clean Language, que é a ferramenta específica usada para modelagem.
  3. E os “Resultados Desejados”, que dão direção ao processo.

Na Modelagem simbólica, o facilitador usa perguntas “limpas” para modelar uma experiência interna durante a terapia ou coaching, ou seja, o nosso verdadeiro funcionamento, experiências, respostas, objetivos e metáforas idiossincráticas.

Usar o modelo da própria experiência interna do cliente permite que o facilitador ajude o cliente a se mover para a mudança que ele deseja.

O que é Modelagem?

Usamos o termo Modelagem para descrever uma maneira de observar ou descrever ativamente algo que uma pessoa faz, ou um processo que ela usa, ou para utilizar essas observações com o objetivo de construir um mapa ou modelo de como ela faz o que faz.

A modelagem externa, pode nos ajudar a entender a atividade de uma pessoa, ou uma sequência de ações. No entanto, a Modelagem Simbólica aplica uma “modelagem interna”, que está preocupada com a experiência interior de uma pessoa. Você pode entendê-la como apreender o contexto do que está acontecendo, e não ao conteúdo.

Nós fazemos isso criando uma estrutura, usando a própria linguagem verbal e física do cliente, e particularmente seus próprios símbolos e metáforas.

Toda linguagem e comunicação humana depende fortemente da metáfora para transmitir o significado de ideias e experiências complexas. Na verdade, a maioria das pessoas usa até seis metáforas por minuto!

A Modelagem Simbólica baseia-se no princípio de que os símbolos que uma pessoa passa a usar, fornecem o mecanismo mais eficaz para facilitar a realização dos resultados desejados dessa pessoa.  Então, o facilitador usa perguntas limpas para ajudar o cliente a explorar seus próprios objetivos internos. Dessa forma, duas coisas acontecem:

  • O facilitador constrói seu próprio modelo evolutivo do funcionamento do cliente, que posteriormente poderá devolver à consciência do cliente para facilitar o resultado esperado e desenvolver recursos.
  • E o cliente, também desenvolve a capacidade de modelar a si próprio durante o processo.

Desta forma, o cliente é guiado suavemente para uma compreensão clara de como ele faz o que faz. Essa compreensão permite que ele escolha fazer mudanças incrivelmente profundas e com facilidade.

Assista abaixo uma demonstração de Modelagem Simbólica na prática!

CLEAN LANGUAGE NO MUNDO!

O trabalho e legado de David Grove se expande em diversos países, transformando vidas e facilitando mudanças profundas em suas várias áreas de aplicação. Conheça o The Clean Collection, o site central sobre Clean Language no mundo. Nele você poderá encontrar centenas de artigos e informações sobre a Modelagem Simbólica de Penny Tompkins e James Lawley e os processos Linguagem Limpa, Espaço Limpo e Conhecimento Emergente de David Grove.