A MODELAGEM SIMBÓLICA

Desenvolvida pelos psicoterapeutas Penny Tompkins e James Lawley, e com base no trabalho de David Grove, a Modelagem Simbólica é uma estrutura eficaz para o uso da linguagem limpa no trabalho terapêutico. É uma ferramenta altamente versátil, poderosa e compatível com a maioria dos métodos de psicoterapia e mudança. James Lawley e Penny Tompkins definem a Modelagem Simbólica como um processo que utiliza o Clean Language para facilitar que as pessoas descubram como suas metáforas expressam a sua forma de ser no mundo. A metodologia considera o indivíduo como um sistema auto-organizado que codifica o significado de sentimentos, pensamentos, crenças, experiências e comportamentos como metáforas na mente corporificada. A abordagem permite que o cliente entenda seus próprios padrões individuais de pensamento e comportamento por meio de metáforas, para ter mais clareza sobre uma questão em particular ou facilitar mudanças em prol de um resultado desejado.

A ideia da modelagem parte da premissa de que todos nós utilizamos modelos mentais (esquemas) para dar significado ao mundo e nos orientar em nossas vidas. Usamos nossos modelos para realizar atividades práticas do dia a dia como dirigir ou cozinhar, bem como para processos internos, como tomar decisões, lidar com frustrações, nos relacionar, raciocinar e assim por diante. Todos esses modelos incluem informações sobre as nossas crenças e valores e sobre a nossa identidade, bem como a estrutura do nosso funcionamento em um determinado contexto ou atividade. Alguns modelos estão mais disponíveis para nós conscientemente do que outros; podemos explicar como andamos de bicicleta, mas é improvável que uma pessoa tenha alguma ideia do seu modelo interno de funcionamento ou como cria uma experiência de desesperança e angústia. Tornar este tipo de processo interno consciente requer modelagem e, como o nome Modelagem Simbólica sugere, ela facilita pessoas a acessarem seus modelos, encorajando-as a pensar simbólica ou metaforicamente. A metáfora – considerada a linguagem da nossa mente inconsciente – consegue transportar uma quantidade enorme de informações, e em sua essência, destaca o padrão e a estrutura de funcionamento de uma experiência.

Através da modelagem, podemos facilitar um cliente a se automodelar, ou seja, acessar o seu modelo de mundo conscientemente e mapear a estrutura da sua experiência em um determinado contexto, seja este um problema ou um resultado desejado, para que tenha uma compreensão experiencial dos limites lógicos que o levam a funcionar como funciona, assim como os recursos necessários para evoluir e transcender o seu modelo de mundo, com uma forma mais saudável e significativa de ser.

A Modelagem Simbólica é uma abordagem construtivista experiencial que permite que se trabalhe com os níveis mais altos de experiência – crenças essenciais, senso de identidade e propósito, o existencial – e também questões complexas, aparentemente intratáveis. É particularmente útil para trabalhar com problemas repetitivos e de difícil resolução que não encontram progresso com abordagens tradicionais. Assista abaixo, uma demonstração prática de Modelagem Simbólica, onde facilito o Lucas a evoluir o seu modelo de mundo a partir do seu resultado desejado (‘ter mais coragem’), que dentro do seu contexto, era necessário para mobilizar diversas áreas da vida:

CLEAN LANGUAGE NO MUNDO!

O trabalho e legado de David Grove se expande em diversos países, transformando vidas e facilitando mudanças profundas em suas várias áreas de aplicação. Conheça o The Clean Collection, o site central sobre Clean Language no mundo. Nele você poderá encontrar centenas de artigos e informações sobre a Modelagem Simbólica de Penny Tompkins e James Lawley e a Linguagem Limpa de David Grove.